Resultados
Gama

Honda Integra Type R, o rei dos tração dianteira

Nasceu em 1995, mas só três anos depois é que o Honda Integra Type R chegou à Europa. Fica a conhecer a história do “rei dos tração dianteira”.

Talvez tenhas conhecido o Integra Type R através do Gran Turismo (como muitos de nós), já o tenhas visto na rua ou até sido um dos sortudos que já o pôde conduzir, o mais provável é que o conheças também como um dos tração dianteira mais eficazes de sempre.

Essa fama surgiu apenas em 1995, quando a Honda decidiu associar o nome Integra (que estava no mercado desde 1985 e ia já na terceira geração) à mítica designação Type R, sinónimo dos Honda mais especiais.

Criado com o intuito de servir de base à versão de competição destinada ao Grupo N, inicialmente o Integra Type R apenas estava disponível no mercado nipónico, tendo apenas chegado à Europa em 1998.

 

O desportivo (quase) artesanal Honda Integra Type R.

Quando decidiram criar o Honda Integra Type R, os engenheiros da Honda partiram da certeza de que o motor 1.8 VTEC (o B18C1) usado na versão GS-R era capaz de dar mais do que os cerca de 173 cv que oferecia.

Assim, deitaram mãos à obra e depois de adotarem pistões em alumínio, bielas de alta resistência, válvulas de admissão remodeladas, um escape de maior diâmetro (entre outras alterações), o motor passou a debitar uns bem mais interessantes 200 cv.

Polida e montada manualmente, esta versão especial do motor acabaria limitada a uma produção de apenas 25 unidades por dia. A distingui-lo estava a tampa das válvulas e o facto de conseguir alcançar as 9000 rpm.

A completar o tratamento Type R dado ao Integra, os engenheiros da Honda reforçaram o chassis, rebaixaram a suspensão (cerca de 15mm), trocaram a barra traseira anti-aproximação e ofereceram ao Integra um diferencial autoblocante.

Não contentes com tudo isto, decidiram ainda aplicar ao Integra Type R uma cura de emagrecimento. Esta levou à perda de equipamento e de material isolante, à adoção de vidros menos espessos. Uma dieta estendida até às paredes internas do depósito de combustível responsáveis por evitar as flutuações da gasolina, que foram reduzidas ao mínimo.

 

O Honda Integra Type R chega à Europa.

Disponível no Japão desde 1995, apenas em 1998 é que o Honda Integra Type R chegou à Europa. Quando o fez não só trouxe consigo um facelift (que lhe deu a característica frente com quatro faróis que todos lhe conhecemos) como mudanças a nível mecânico. Recebeu ainda jantes de 16” (antes eram de 15”), travões maiores e modificações nas relações da caixa manual de cinco velocidades.

Se no mercado japonês o Honda Integra Type R contava com 200 cv extraídos da versão B18C1 do 1.8 VTEC, quando chegou à Europa o desportivo nipónico viu a potência cair 8 cv, passando para os 192 cv extraídos da versão B18C6 do 1.8 VTEC.

Ainda assim apresentava números de respeito (principalmente se tivermos em conta que surgiu na Europa em 1998): 107 cv/litro, mais de 230 km/h de velocidade máxima e um tempo dos 0 aos 100 km/h de apenas 6,7s.

Um ícone automóvel que nunca deu lucro.

Entre 1995 e 2001 (ano do canto do cisne do Honda Integra Type R), a Honda perdeu dinheiro com cada uma das unidades vendidas.

A manufatura das versões iniciais e o recurso a componentes provenientes de várias pequenas empresas, provocaram um aumento dos custos de produção, com o preço do Honda Integra Type R a revelar-se insuficiente para cobrir o investimento.

Se é verdade que não conseguiu dar lucro à Honda, não é menos verdade que ajudou a aumentar a imagem da marca nipónica. Hoje, o Honda Integra Type R é de forma inequívoca, um autêntico ícone dos anos 90, da tração dianteira e do mundo automóvel.

Razão Automóvel
Razão Automóvel A Razão Automóvel é uma publicação online diária, de âmbito nacional, que assenta a sua distribuição em diversas plataformas informáticas, com especialização noticiosa no ramo automóvel. Atendemos ao fenómeno automóvel de forma holística, compreendendo não só o automóvel em si, mas tudo o que lhe diz respeito: mobilidade, ambiente, tecnologia, desporto, comércio e indústria. Para a Razão Automóvel o automóvel é também uma manifestação social, cultural e pessoal. Acreditamos, portanto, que é possível descrever o automóvel da mesma forma que se vive o fenómeno: com emoção. É essa a nossa razão, a Razão Automóvel. A Razão Automóvel é Júri Permanente do prémio nacional Carro do Ano Volante de Cristal e Júri do World Car Awards, o mais relevante prémio da indústria automóvel a nível mundial. Ver perfil

Siga-nos no Instagram

@honda.pt